O que é o Simples Nacional e quem pode optar?

14.10.2019

O regime tributário Simples Nacional foi instituído pela Lei Complementar 123/06  e une os principais tributos e contribuições existentes no país com o objetivo facilitar e agilizar a cobrança de empresas de menor porte. Antes, as empresas tinham dificuldades em administrar os tributos por conta das diversas guias de impostos. Cada uma era destinada a um tributo específico e deveriam ser pagas em datas diferentes, tornando o processo ainda mais burocrático. Para optar por este regime a empresa tem que verificar, antes de tudo, se está enquadrada nas condições necessárias. Confira mais no blog.

 

Com o Simples, os tributos ICMS, IPI, IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, ISS e INSS patronal foram unificadas e podem ser pagas em uma única guia. Além disso, a lei tornou possível a simplificação na apuração dos valores, calculada de acordo com a receita bruta da empresa.

 

Quem pode optar?

 

A empresa que pretende optar pelo Simples Nacional precisa verificar se a mesma se enquadra nas condições para essa tributação, analisando se a atividade da empresa está entre as permitidas pelo regime: como micro e pequenas empresas, empresas de pequeno porte e microempresários individuais. 
Hoje, é considerada uma micro empresa aquela que tem um faturamento de no máximo R$ 360 mil. A empresa de pequeno porte, por sua vez, pode faturar anualmente até R$ 4,8 milhões.  Além disso, a empresa não pode ter débitos em aberto com o governo. 

 

Toda regra tem exceção


Empresas que ultrapassam o teto do faturamento ficam impedidas de optar pelo regime. E também a empresa: 

 

  • Que tenha outra pessoa jurídica como acionista;

  • Que participe do capital de outra pessoa jurídica;

  • Que seja filial, sucursal, agência ou representação, no País, de pessoa jurídica com sede no exterior;

  • Que tenha um dos acionistas com participação em qualquer outra empresa de fins lucrativos, considerando que a soma da receita bruta dessas empresas ultrapassa R$4,8 milhões;

  • Que tenha sócio que more no exterior;

  • Que seja constituída sob a forma de cooperativas, salvo as de consumo;

  • Que exerça atividades relacionadas a energia elétrica, importação de combustíveis, automóveis e motocicletas, transporte intermunicipal e interestadual de passageiros, crédito, financiamento, corretagem, câmbio, investimento, cigarros, cigarrilhas, charutos, filtros para cigarros, armas de fogo, munições e pólvoras, explosivos e detonantes, bebidas alcoólicas e cervejas sem álcool, cessão ou locação de mão-de-obra, loteamento e incorporação de imóveis, locação de imóveis próprios;

  • Que possua débito, ainda exigido, com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) , ou com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal;

  • Que não possui inscrição ou com irregularidade em cadastro fiscal federal, municipal ou estadual, quando exigível.

 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Especialista Tributária

UMA EMPRESA DO GRUPO VIRIATO

© 2017 POR CORREA & LOPES CONSULTORIA TRIBUTÁRIA LTDA