Novidades na Declaração do IR

10.02.2020

Entre os dias 02 de março a 30 de abril acontece a entrega da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2020, ano base 2019  e este ano está com duas novidades: não dedutibilidade da contribuição patronal previdenciária do empregado doméstico e a necessidade de inclusão de alguns tipos de bens. 

 

A não dedutibilidade vai fazer com que o contribuinte deixe de se beneficiar com até R$1251,00 do incentivo fiscal por registrar empregado doméstico. Para especialistas isso pode ser um desestímulo à manutenção do emprego formal por parte do cidadão. Também será preciso incluir informações complementares sobre alguns tipos de bens, tais como: imóveis, veículos, aeronaves e embarcações. Além de conta corrente e aplicações financeiras.

Entenda quais são essas informações: 
 

a. Imóveis - data de aquisição, área do imóvel, Inscrição municipal (IPTU), registro de inscrição no órgão público e registro no cartório de Imóveis;

b. Veículo, aeronaves e embarcações - número do RENAVAM e/ou registro no correspondente órgão fiscalizador;

c. Contas correntes e aplicações financeiras CNPJ da instituição financeira.

 

Melhor já se antecipar e separar documentos para garantir uma restituição ou menor pagamento e, claro, menos risco de cair na malha fina.

 

Quem precisa declarar:

- Quem recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R﹩ 28.559,70;

- Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R﹩ 40.000,00;

- Quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens e direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;

Relativamente à Atividade Rural, devem declarar:

- Quem obteve receita bruta em valor superior a R﹩ 142.798,50;

- Pretenda compensar, no ano-calendário de 2018 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2018;

- Quem teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R﹩ 300.000,00;

- Quem passou a ser residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro; ou

- Quem optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Especialista Tributária

UMA EMPRESA DO GRUPO VIRIATO

© 2017 POR CORREA & LOPES CONSULTORIA TRIBUTÁRIA LTDA